Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
INFANTIL
INFANTIL

 

Imagem relacionada

Xuxinha e Guto Contra os Monstros do Espaço - 2005

 Filmes protagonizados pela apresentadora Xuxa costumam ser uma unanimidade entre os críticos: enquanto são muito bem-aceitos pelo público - vide a bilheteria que suas produções costumam fazer -, são enxovalhados pelos críticos. Afinal, mais do que trazer no elenco a "Rainha dos Baixinhos", seus filmes costumam reciclar velhas formas que deram certo na produção cinematográfica estrangeira. O que não muda em Xuxinha e Guto Contra os Monstros do Espaço. Mas existe, aqui, uma diferença que, se não salva o filme, pelo menos faz com que ele seja mais suportável: trata-se de uma animação. Portanto, as aparições de Xuxa na película são drasticamente diminuídas. Não por completo, infelizmente, porque o público gosta de sua figura.

Os personagens que protagonizam Xuxinha e Guto Contra os Monstros do Espaço são velhos conhecidos dos espectadores que assistem ao programa da apresentadora, fazendo com que a aceitação deste longa seja maior ainda entre os fãs mais fiéis de Xuxa. A protagonista, Xuxinha, é o anjo da guarda de Guto, um moleque espoleta de sete anos. Ao lado do amiguinho Jonas, Guto faz estripulias em seu bairro, dando bastante trabalho à sua protetora Xuxinha. Com a ajuda de Txutxucão, Guto e Jonas combatem a invasão de seres alienígenas que se alimentam de lixo e estão prontos para empestear a Terra com muita sujeira.

Repleto de mensagens ambientais e sobre a amizade, Xuxinha e Guto Contra os Monstros do Espaço é um filme que deve agradar aos menores. As técnicas de animação são bastante simples, assim como o roteiro, e a música está presente a todo momento - mais ou menos como nos desenhos do Scooby Doo, quando a ação pára e dá lugar a um musical. Aqui funciona a lei da compensação: pelo menos é uma animação. Afinal, já que nós, críticos, temos de encarar como dever profissional um filme da Xuxa por ano, é agradável saber que desta vez é uma produção de animação com pouco mais de uma hora de duração.

 Os Detetives do Prédio Azul - DVD

Detetives do Prédio Azul (2016)

“Detetives do Prédio Azul” é um programa exibido pelo canal Gloob e produzido pela Conspiração Filmes. O enredo conta a história de um prédio antigo no qual moram três amigos inseparáveis: Tom, Mila e Capim. A cada episódio eles desvendam problemas misteriosos que surgem no prédio, vestem suas capas superequipadas e se tornam os Detetives do Prédio Azul! (D.P.A). No meio do caminho, está a malvada Dona Leocádia - síndica do prédio -, que não esconde sua implicância pelos três e vai fazer de tudo para acabar com suas brincadeiras. 

Eliana em O Segredo dos Golfinhos / Mega

No filme, Eliana (no papel de si mesma) promove um concurso de redação, cujo prêmio é uma viagem à paradisíaca ilha de Riviera Maya, no México. Calé (João Paulo Bienemann), um garoto que, embora nunca tenha visto o mar, é apaixonado por golfinhos, faz uma redação. Seu colega Rogério (Thomas Levisky) fica encarregado de enviar a redação à Eliana e, como aparentemente não possui uma índole exemplar, põe seu nome como co-autor do texto, desejando com isso conhecer Eliana e aparecer na TV. O texto, como é de se esperar, é escolhido pela apresentadora, e os dois garotos viajam ao México, na companhia da irmã chata e esnobe de Rogério, Veralú (Fernanda Souza).

Na ilha, coisas estranhas começam a acontecer. Os golfinhos de Riviera Maya ficam misteriosamente doentes. Eliana tem uma conexão com os golfinhos a lá “E.T. – O Extraterrestre” e consegue sentir quando um deles morre, o mesmo acontece com Calé. A morte dos golfinhos é explicada por um dos funcionários do delfinário, Pepe (Jackson Antunes), como sendo conseqüência do roubo de uma relíquia ancestral, um crânio de cristal, que era protegida pelos golfinhos de Riviera Maya. O ladrão do crânio é o milionário Esquivel (Fulvio Stefanini), que usa os poderes da relíquia para comprar todos os parques aquáticos da ilha e transformá-los em parques de tubarões (com sessões de carnificinas aos fins de semana). Eliana, o biólogo Fred (Daniel Del Sarto) e Calé têm, então, a missão de recuperar o crânio de cristal e devolvê-lo à tutela dos golfinhos mexicanos.

O filme não chama atenção em nenhum aspecto. Na realidade, é verdadeiramente entediante (até mesmo para crianças, creio eu). Alguns pontos interessantes merecem ser destacados. Todos na ilha, por exemplo, parecem falar fluentemente português, sem sotaques estrangeiros e sem nem sombra do bom e velho portuñol. Na verdade, todos que aparecem no filme parecem ser bem brasileiros. Um grupo de manifestantes, liderados por Supla (em uma engraçada participação especial), urra seus gritos de protesto em português, embora seus cartazes e faixas estejam todos em espanhol! Estranho, não?

A desastrosa atuação de Eliana é superada pela do jovem João Paulo Bienemann (que mostra muito talento). Na verdade, a atuação de Eliana é superada por todo o resto do elenco, pelos golfinhos (mecânicos ou não), peixes, corais, lagostas, caranguejos e esponjas-do-mar que dão o ar de suas graças no longa.

O filme é interrompido por uma injustificada apresentação da banda Rouge. As meninas do grupo dançam e mexem a boca em frente a uma tela verde, onde são projetadas imagens de golfinhos. Tudo isso torna a cena bastante parecida com o programa “Dance o Clipe”, da Mtv. O filme tenta passar a mensagem de proteção à natureza, mas nem isso realiza satisfatoriamente. Os golfinhos, ao contrário do que poderia se imaginar, não são ameaçados por caçadores ou pela poluição. O que ameaça a vida dos cetáceos é o roubo do tal crânio de cristal pelo milionário. Dessa forma, a mensagem não chega por vias certas às nossas crianças que, ao contrário do que pensa Eliana, são bastante inteligentes. Se o filme passa alguma mensagem, é a de companheirismo e amizade, através de Calé e Rogério. Pelo menos isso.

O filme passa por momentos de repetição insuportáveis, como quando o crânio vai passando de mão em mão, conferindo poderes especiais por onde vai. Em mais de uma ocasião, são apontadas armas de fogo às crianças, o que, ao meu ver, é bastante inoportuno e repugnante. Mas, afinal, como já havia sido mencionado no início dessa crítica, o que poderia ser esperado de um filme como esse?

A triste verdade é que o cinema brasileiro ainda está muito longe de oferecer às nossas crianças filmes infantis de qualidade. Enquanto isso, os infantos são bombardeados por tudo o que presta e o que não presta que países como Estados Unidos e Japão têm a nos oferecer. O que não falta no Brasil são autores infantis de qualidade, como Monteiro Lobato e, mais atualmente, Pedro Bandeira e Ruth Rocha. O que falta é iniciativa para fazer com que contos infantis de autores como esses aqui mencionados ganhem vida nas telonas, encantando nossas crianças com o melhor de nossa cultura.

Elenco:

Eliana.... Eliana

Daniel Del Sarto.... Fred

Fernanda Souza.... Veralú

Fúlvio Stefanini.... Esquivel

Francisco Milani.... voz do crânio

Ângela Dip... Tânia

Jackson Antunes.... Pepe

Eliana Fonseca.... Cris

Roney Facchini.... Gonzalez

Elias Andreatto.... juiz

João Paulo Bienemann.... Calé

Thomas Levisky.... Rogerinho

Camila Quadros.... Clarinha

Netinho de Paula.... repórter

Supla.... ele mesmo

Karin Rodrigues.... dona dos parques

Rouge.... elas mesmo

Dirigido por Eliana Fonseca

Resultado de imagem para Galinha Pintadinha Volume 4

Galinha Pintadinha Volume 4

 

As Aventuras da Turma da Mônica (1982) Minhateca

Nesse filme são contadas quatro histórias. Entre cada episódio aparece Mauricio de Sousa sempre recebendo uma ligação da turma sobre um filme que ele pretende fazer, mas algum imprevisto ocorre para que a turma não apareça no filme.

As histórias contadas são:

O Plano Infalível: Lá vem Mônica, dançando e cantando, batendo nos meninos e fofocando com as meninas. Cebolinha e Cascão atacam, pintam bigode e chifrinho, implicam com a amiga. Como sempre, Mônica se vinga, dando uma surra nos dois. Mas Cebolinha e Cascão preparam um plano de vingança, o plano “Pizza a Jato”. Com a ajuda de Magali, companheira gulosa, tentam atirar uma pizza no rosto de Mônica, mas é o próprio Cebolinha que acaba todo lambuzado. Inconformado e incentivado por Cascão, ele concebe outro plano: “Mônica na Jaula”. Acompanhado de Bidu, tenta derrubar uma jaula em cima da amiga, mas erra a pontaria. Um novo plano talvez dê certo, com Franjinha e sua flor que esguicha água. Cascão, que tem medo de água, é convencido por Cebolinha a acionar o jato, mas se atrapalha, e Cebolinha molha-se todo. Quando se aproxima a amiga, o jato a atinge, mas uma jaula cai e prende os três juntos. Cebolinha e Cascão apanham mais uma vez.

Um Amor de Ratinho: Maurício de Sousa em seu estúdio, tem uma nova estória em mente. Telefona para Mônica, mas a menina vai a uma festa. Lá, Mônica é surpreendida pela última invenção de Franjinha: uma máquina que a faz muito pequena, do tamanho de um rato. Encontrando seus amigos, é obrigada a fugir, pois todos a pisoteiam e atacam, sem perceber que se trata de Mônica. No mundo das pequenas coisas, Mônica percorre o jardim da casa de Franjinha, deparando-se com uma briga de gato e rato. Aproxima-se e dá uma surra no gato, salvando o ratinho, que se comove e a leva à sua comunidade, onde todos vivem sob a pressão dos gatos. Uma enorme jaula e uma ratoeira ameaçando-nos constantemente. Mônica reúne os ratos e avança contra os invasores. Mãe, filha, avó, sobrinha, todos juntos arremessam tomates contra os felinos, que acabam derrotados. Mônica é aclamada grande heroína pela comunidade, e homenageada até pela corte. O ratinho, apaixonado, entrega-lhe um presente em nome de todos: o brinco que Mônica tanto queria. A festa da vitória continua, todos dançam rock’n’roll. Mônica e o ratinho escapolem na pista de dança e vão passear longe de todos; sentam-se lado a lado, mas, envergonhados, não sabem o que fazer. Completamente apaixonado, ele sonha com Mônica pelos céus e pelo mundo. Quando se volta para ela, cheio de amor, Mônica perdeu seu encanto e recupera o tamanho natural. O ratinho chora, inconformado, e foge pelo jardim, enquanto Mônica reencontra seus amigos. De repente, tudo se transforma em sonho: o ratinho encontra sua amada, outra Mônica do seu tamanho, e os dois se vão felizes.

A Ermitã: Novamente em seu estúdio, Maurício de Sousa busca desenvolver sua estória. Mas nada consegue. Cascão está ocupado, preparando com a turma uma surpresa para Mônica. Esta passeia pela rua, mas ninguém lhe dá atenção, todos fingem desprezo. Floquinho chega até a urinar no seu pé. Ela não se conforma, chora e, vendo algo na televisão sobre a vida de um ermitão das montanhas, resolve fugir de tudo e de todos. Arruma as roupas e vai em busca de sua solidão. Enquanto Mônica conhece os mistérios dos bichos e das plantas e montanhas, seus amigos preocupam-se com seu desaparecimento. O plano do aniversário, a surpresa, não dava certo: todos se entristecem, o aniversário da amiga não podia ser comemorado com tanta infelicidade. Mas Magali lembra a paixão de Mônica pelas montanhas, e saem todos, Cascão, Magali, Franjinha, Bidu e Cebolinha, em busca da desaparecida nas montanhas. Mônica dificulta o caminho com placas, procurando evitar que os outros se aproximem, e chora ante seu abandono. Ouvindo os soluços, seus amigos sobem montanha acima, e após ultrapassarem as placas os cinco sentem-se cansados e com fome. Abrem o lanche no chão, em frente a uma caverna, sem perceberem que lá está Mônica. Enraivecida com todos e faminta, ela veste sua máscara de monstro e assusta-os como homem das cavernas. Ao deter-se na toalha do piquenique, Mônica vê escrita no bolo a homenagem ao seu aniversário, descobrindo o porquê do abandono da turma. Enquanto todos se abraçam comemorando o retorno da amiga, um verdadeiro homem da caverna sai e devora o lanche.

O Império Empacota: Esta é a história principal do filme. Mais uma vez em seu estúdio, Maurício de Sousa traz nova ideia, mas Cebolinha está dormindo, e a coisa emperra. Em meio aos roncos de Cebolinha, vem do espaço um pequeno extra-terreno. Em sua tela surgem as ordens do chefe do Cosmos: atacar o planeta com todas as forças, para a criação de uma grande plantação de cenouras. O pequeno extra-terreno inicia seu trabalho, mas pouco consegue. O despertador, a água do chuveiro, o desentupidor de ralo nas mãos de Cebolinha nada permitem. Sem perceber a presença estranha, Cebolinha, no jardim da casa, confunde o ser espacial com o coelhinho querido da Mônica. Os dois brigam, puxam um de cada lado e acabam desmantelando o “imaginado coelhinho”. Reconstituído, enorme, ele recebe novas ordens do espaço, e captura Mônica e Cebolinha. Os dois prisioneiros caem dentro de uma nave, tomada por vários extra-terrenos. Mônica é empacotada e imobilizada, e o grande chefe Coelhão surge numa tela, anunciando seu objetivo de empacotar todos os seres humanos. Mas Cebolinha reage, foge das armadilhas com Mônica nos braços e assume uma pequena nave. Capaz de enfrentar a nave gigante, Cebolinha empacota milhares de obstáculos e derruba o Coelho chefe, enfiando-lhe uma cenoura enorme na boca. Vitorioso, Cebolinha continua triste, já que Mônica permanece imobilizada. Mas ao pegar o coelhinho querido da amiga, Cebolinha a vê voltar ao normal. Começam então a brigar e voltam à Terra.

Assim que voltam à Terra eles se encontram com Maurício, enquanto isso toda a turma entra no estúdio onde Maurício estava. Todos se apresentam e perguntam sobre o tal filme que o cartunista pretendia fazer, mas Maurício diz que a turma não precisa mais fazer o filme porque ele já está pronto. 

 

O MENINO E O MUNDO (2013) / 1Fichier / Minhateca

Os traços desta animação brasileira sugerem a ingenuidade, a infantilidade. O personagem principal é desenhado com um rabisco simples, em 2D, sobre espaços brancos remetendo a folhas de papel. A evolução do cinema animado tem sido cada vez mais associada ao desenvolvimento tecnológico, de modo que assistir a O Menino e o Mundo provoca uma surpresa. Enquanto as grandes produções buscam os traços realistas (como o cabelo ultra natural do príncipe de Shrek, ou a grande expressividade do robô Wall-E) para compor mundos mágicos, este filme faz o caminho inverso: usa traços que beiram o surreal para falar de um Brasil bastante palpável e contemporâneo.

A história, sabiamente contada sem palavra alguma (algo que pode facilitar a exportação do filme), mostra uma criança pobre cujo pai abandona a família para ir trabalhar em algum lugar distante. O cenário familiar é rural, mas o mundo para onde partem os adultos é o da cidade grande. Estes ambientes – personagens centrais à trama – ganham uma caracterização expressiva e inteligente: enquanto o campo é simbolizado por pequenos traços coloridos (referente à grama, à felicidade), a cidade é uma mistura cinzenta de pesadelo futurista (com favelas em formas de cones) e pastiche do capitalismo (outdoors, televisores por todos os lados). O trem que atravessa a fazenda nada mais é do que um monstro gigantesco, como uma serpente, que engole os adultos e depois desaparece no espaço branco, sem devolvê-los mais. 

Com um ritmo agradável, sem apelar para a montagem frenética das animações infantis hollywoodianas, o diretor Alê Abreu dedica-se a representar de maneira lúdica os espaços e as configurações do mundo contemporâneo. A exploração dos agricultores, a falência das fábricas, a tristeza dos tecelões, a precariedade dos artistas de rua, a falta de estrutura nas comunidades carentes, o regime militar... Tudo é retratado de modo a misturar o sonho (a bela música das favelas) com o pesadelo (os tanques de guerra, transformados em animais gigantescos). Os pobres são humanizados ao máximo, com a câmera próxima dos pequenos traços que representam os seus olhos tristes, já os poderosos estão escondidos atrás de tanques e veículos potentes.

 O Menino e O Mundo também impressiona pela mistura de técnicas, incluindo colagens, carros feitos por computador (representando a desigualdade social) e mesmo imagens em estilo documentário, de árvores sendo cortadas em florestas. Junto da trilha sonora de cunho social, composta pelo rapper Emicida, fica evidente a notável ambição deste filme de entreter ao mesmo tempo em que estabelece uma mensagem muito clara sobre a sociedade atual. Talvez as crianças não consigam entender todas as referências históricas, mas nem precisa: a simples sensibilização às desigualdades como mensagem central já é um tema raro e precioso em meio a tantas produções que preferem martelar na cabeça dos pequenos os mesmos valores de amor familiar.

Esta acaba sendo uma produção triste, amarga, por trás do tom colorido da superfície. O Menino e o Mundo lembra produções como A Viagem de Chihiro ou O Mágico, de mestres da animação Hayao Miyazaki e Sylvain Chomet, que contrastaram muito bem o mundo idealizado da infância à vida embrutecida dos adultos. O tom de melancolia impregna este filme de excelente qualidade técnica, além de uma inventividade ímpar na representação dos espaços e do som (quer cena mais bonita do que o garoto guardando numa caixa a música tocada pelo seu pai?). Esta é uma produção capaz de divertir e suscitar a reflexão de crianças e adultos, por razões diferentes e em níveis distintos. Estas qualidades fazem de O Menino e o Mundo um filme muito mais complexo e rico do que os seus simples traços permitem imaginar.

 

Imagem 

A Dança dos Bonecos (1986)

Direção: Helvécio Ratton

ELENCO

Wilson Grey (Mr. Kapa)
Kimura Schettino (Geleia)
Cintia Vieira (Ritinha)
Ezequias Marques (J. Domina)
Cláudia Jimenez (Almerinda)
Divana Brandão (Iara)

Geleia e Mr. Kapa são dois artistas mambembando pelo interior das Gerais. Chegando à vila de Beleléu, Geleia conhece a menina Ritinha e seus bonecos, e a presenteia com uma água violeta dada a ele pela mãe d'água Iara. A água mágica dá vida aos bonecos. Ao mesmo tempo, o empresário J. Domina, com o apoio da assessora Almerinda, obriga seus vendedores a apresentar "um novo brinquedo". Mr. Kapa sequestra os bonecos, ao mesmo tempo em que os vendedores querem tirar proveito das situação. No final, vence quem acredita na magia...

Patati Patatá 4 - No Mundo Encantado (2010)

Neste DVD, Patati Patatá faz a festa com a garotada cantando e dançando 15 músicas de grande sucesso, intercaladas a números de mágica.

Patati Patatá 5 - Os Grandes Sucessos (2010)

 Desde a década de 80 Patati e Patatá vem animando crianças e adultos, com seu carisma e alegria contagiantes. Uma história de sucesso que confirma o apelido de ‘a dupla de palhaços mais amada do Brasil’, com milhares de fãs no país inteiro. Eles têm inúmeras músicas de sucesso, fazem muitas palhaçadas e sabem como divertir as crianças. Em “Os Grandes Sucessos de Patati Patatá” estão reunidos os melhores vídeos já gravados pelos palhaços e algumas das suas mais animadas canções, como Se você quer sorrir e A dança do macaco. A supercompilação ainda traz nos seus extras e karaokê, desenhos animados e histórias engraçadas. Este é, sem dúvida, um presentaço para o Dia das Crianças.

Patati Patatá 6 - Volta ao Mundo (2010)

Neste trabalho, Patati Patatá convida as crianças para dar a volta ao mundo num tapete mágico de sonho e alegria. Além disso, este produto mostra as diferenças culturais entre as nações, valoriza a paz mundial e a amizade.

 

Patati Patatá - A Vida É Bela (2014)

São 14 músicas INÉDITAS, cantadas pelo Patati Patatá sendo uma delas, uma nova composição da música “Luzes da Ribalta” com a participação especial de Heidi Maria. 

Resultado de imagem para os porralokinhas filme

Os Porralokinhas - 2007

Nas férias, o cinema é uma das melhores opções para divertir a criançada. Além das animações da Disney, Pixar e Dreamworks, os filmes brasileiros também aparecem para entreter o público infantil - ou até, porque não, os adultos. Todos os anos, filmes da Xuxa e Didi eram os representantes brasileiros em se tratando de produções infantis, mas, para fugir um pouco dessas conhecidas produções, há Os Porralokinhas.

O filme é dirigido por Lui Farias - responsável por Com Licença, Eu Vou à Luta (1986), visto por mais de um milhão de espectadores e baseado no livro best seller de Eliane Maciel, e Lili, a Estrela do Crime (1988), no qual inovava a narrativa com uma estética próxima aos quadrinhos.

Ambientado na Floresta Amazônica e com a trama baseada numa lenda indígena, o longa nos faz lembrar Tainá, Uma Aventura na Amazônia, mas a história toma um rumo diferente. Lulu (Maria Mariana Azevedo) e Bena (Miguel Rômulo) são filhos de Magali (Denise Fraga, de Como Fazer um Filme de Amor) e Beto (Antônio Calloni, de Olga). A pedido dos filhos, os pais decidem mandá-los para o sitio Coração da Mata a fim de curtirem suas férias. Para começar as confusões, o primo deles, Macarrão (Rafael Ciani), também vai ao sitio, mas escondido na mala de Bena e Escarlete (Heloísa Périssé, de Sexo, Amor e Traição), vendedora de "muambas" que, para escapar da polícia no aeroporto, embarca com as crianças, vestida de monitora. O dono do sítio é tio Maneco (Flávio Migliaccio, de Boleiros 2 - Vencedores e Vencidos), que esconde muitos segredos, além de guardar um sapo talismã da floresta. O vilão é Pierre Caiman (Lucio Mauro Filho, de Lisbela e o Prisioneiro), um homem-jacaré amaldiçoado pelo talismã que deseja roubá-lo para voltar a ser humano. Com as crianças, as monitoras, tio Maneco e homem-jacaré no mesmo lugar, as trapalhadas começam.

O elenco infantil apresenta ótimas atuações, com destaque para Maria Mariana Azevedo. Ela é mais nova do elenco, mas a mais carismática e convincente. Heloísa Périssé, como sempre, anima e contagia o filme e Flávio Migliaccio tem aquele jeitão de avô acolhedor que nós faz sentir em casa. Lucio Mauro Filho está muito bem caracterizado como jacaré. A fantasia - que envolve dentadura, lentes para os olhos e próteses de silicone que grudam no corpo - é assustadora para as crianças.

Se você gosta de filmes infantis brasileiros e procura outra opção, aproveite.

 Resultado de imagem para super xuxa contra o baixo astral

Super Xuxa contra Baixo Astral (1988) / DVD-r

Dirigido por Anna Penido e co-dirigido por David Sonneschein

Elenco

  • Xuxa Meneghel .... Super Xuxa
  • Guilherme Karan .... Baixo Astral
  • Jonas Torres .... Rafa
  • Paolo Paceli .... Titica
  • Roberto Guimarães .... Morcegão
  • Henriqueta Brieba .... Vovó Cascadura
  • Luiz Carlos Tourinho .... Pássaro da Árvore da Consciência

Elenco coadjuvante

  • Iran Mello .... Repórter da TV Fim
  • Cláudia Puget .... Fernanda Florifinder
  • João Brandão .... Câmera-man da TV Fim
  • David Sonneschein .... Cientista louco
  • Manfredo Bahia .... Político
  • Caio Torres .... Aluno do colégio de Rafa
  • Isabel Gomide .... Mãe de Rafa
  • Oscar Marques .... Pai de Rafa

Dubladores dos bonecos

  • Katia Moraes .... Xixa
  • Nair Amorim .... Xuxo
  • Sandra de Sá .... Almofadona
  • David Sonneschein .... pulgas do Xuxo
  • Denise Prado e Anna Penido .... Flores do Alto Astral
  • Vitor Haim .... Boto Rosa
  • Jorge Crespo .... Lourival da Árvore da Consciência
  • Maria Eliza Freire .... Professora de Rafa

Crianças no clipe Arco-Íris

  • Fabricio Bittar
  • Adriana Jordan
  • Carla Jardim
  • Lissa Diniz
  • Milena Gurgel
  • Mayara Oliveira
  • Fabricio Cunha
  • Thais Bordallo
  • Renata Souza
  • Fábio Yamazaki

Crianças no covil do Baixo Astral

  • Fábio Ribeiro
  • Márcio Paulo
  • Pablo Luiz

Xuxa é uma apresentadora de televisão que convoca as crianças para colorirem muros pichados na cidade. Enquanto isso, Baixo Astral, um ser demoníaco que vive nos esgotos da cidade, decide se vingar de Xuxa sequestrando seu cachorro, Xuxo. Ela então sai em busca de Xuxo, indo parar em uma dimensão paralela conhecida como Alto Astral.

Outros personagens do filme são: Rafa, um garoto que também é sequestrado por Baixo Astral, que planeja torná-lo seu capanga; Titica e Morcegão, os capangas de Baixo Astral, que têm ciúmes da atenção que Rafa recebe de seu "patrão"; Xixa, uma lagarta cigana e preguiçosa que ajuda Xuxa em sua viagem (e, eventualmente, sofre uma metamorfose e se transforma em borboleta); e a Vovó Cascadura, uma cágada especialista em literatura.

 

Resultado de imagem para castelo rá tim bum o filme

Castelo Rá-Tim-Bum, o Filme (1999)

A história expande o conceito dos Stradivarius, uma família tradicional de feiticeiros, que é meramente mencionada na série original. Com a chegada iminente do alinhamento dos planetas, um evento que fortalece os poderes de todos os magos, Losângela (Marieta Severo) rouba o livro de magia de Morgana (Rosi Campos) o que causa a perda dos poderes de Morgana e do Dr. Victor (Sérgio Mamberti). Losângela se alia ao Dr. Abobrinha (Pascoal da Conceição) e seu ajudante Rato (Matheus Nachtergaele), ambos com intenções de demolir o Castelo.

As esperanças do Castelo ficam nas mãos do sobrinho de Morgana e Victor, Antonino ''Nino'' Stradivarius, um menino de 300 anos aprendiz de feiticeiro. Nino também procura lidar com o fato de que não é um garoto normal, o que dificulta sua capacidade de fazer amigos. No entanto, é justamente fazendo amizade com as crianças Cacau, João e Ronaldo que ele encontra um meio de salvar o Castelo e seus tios. 

Sítio do Picapau Amarelo -  (2015) / Minhateca

Um lugar diferente, onde a realidade se mistura com o faz de conta e a imaginação é algo real. Um lugar onde uma boneca pode falar, um sabugo de milho é cientista e a vilã não passa de um jacaré com cabelos loiros.

Um lugar gostoso de viver e se aventurar, com novas histórias para ver, rever e guardar. Confira os 7 episódios – ‘Um Lugar Diferente’; ‘O Roubo do Pirlimpimpim’; ‘A História do Gato’; ‘A Princesa do Reino das Águas Claras’; ‘Um Grande Aventureiro’; ‘As Tarefas do Visconde’; ‘As Promessas do Rabicó’. 

FOFÃO E A NAVE SEM RUMO (1989) / 4SHARED

Dirigido por Adriano Stuart

ELENCO:

Orival Pessini/Fofão
Jessica Canoletti
Paulo Caruso
Danilo Faro
Ivo Lopes
Karina Palatnik
Eleonora Prado

Fofão é convocado para defender a nave que orbita a Fofolândia das garras de uma vilã que quer um sinal colocado no seu nariz para, assim que ele nascer, poder governar todas as galáxias. Assim, Fofão conta com ajuda de Aliemac, fofolo, e as crianças Bruno e Patricia.. 

Xuxa só para Baixinhos 5 - Circo / MINHATECA

Xuxa Só Para Baixinhos 3 - Country / Minhateca

 

BRASIL ANIMADO (2011) / Minhateca

Stress é um empresário que sempre pensa em novas formas de enriquecer. Relax é um diretor de cinema, que sempre tenta convencer Stress a investir em seus projetos. Um dia Relax propõe que eles encontrem o grande jequitibá rosa, a árvore mais antiga do Brasil. Stress gosta da ideia, pois logo vê a possibilidade de ganhar dinheiro vendendo ingressos para visitá-la. Só que a dupla não tem a menor ideia de onde ela esteja. Desta forma, partem em viagem pelo Brasil dispostos a encontrá-la.  

Cine Gibi - O Filme / MINHATECA

Sempre com ideias e invenções estranhas, desta vez Franjinha criou uma máquina de transformar quadrinhos em cinema. A invenção deixou toda a turminha animada com a chance de assistir suas aventuras. Para participar dessa grande experiência, amigos famosos da televisão também aparecem na estreia.

 

As Aventuras do Avião Vermelho (2015) / MINHATECA

A animação brasileira As Aventuras do Avião Vermelho se baseia no livro homônimo de Érico Veríssimo, escrito no longínquo ano de 1936. Uma história familiar de aventura, calcada em valores importantes, e que estimula a imaginação da criança.

Com uma abordagem colorida, a adaptação para o cinema pelos diretores Frederico Pinto (mais conhecido por sua função como diretor de arte, ele tem no currículo o infantil Eu e Meu Guarda Chuva, Entre Nós e VIPs) e José Maia (diretor de animação) acerta na escolha do texto, de forte cor local – gaúcha, é verdade, sobretudo no sotaque, já que o Rio Grande do Sul é a terra de grande parte da equipe que realizou o longa (a começar pelo autor da obra original), mas de fácil apelo para o restante do país. E a despeito da idade do texto, há uma preocupação válida de atualizar a obra com referências a 2001 - Uma Odisséia no Espaço, Guerra nas Estrelas e até Chapolin.

A trama apresenta a história de Fernandinho (voz de Pedro Yan), um garoto que, com a perda da mãe e a ausência do pai (Sergio Lulkin), sempre ocupado com o trabalho, acaba se tornando bagunceiro – e solitário. Culpado, o pai, então, tenta se reaproximar presenteando-o com toda a sorte de agrados, e o menino acaba desenvolvendo uma especial afeição por um livro da época da infância do pai, que conta as aventuras do Capitão Tormenta.

O herói é um aviador que ficou preso na península de Kamchatka. Fernandinho, então, decide salvá-lo no outro lado do mundo e convoca seus brinquedos Ursinho (Wandi Doratiotto) e Chocolate (Lázaro Ramos) para embarcar no Avião Vermelho (que também tem voz, de Milton Gonçalves). Juntos, eles vão da lua ao fundo do mar, passando pela África, China e Índia até chegar à Rússia.

A exemplo de produções internacionais caprichadas como Toy Story, os brinquedos ganham vida – aqui, na cabeça de Fernandinho. E, para um público acostumado ao estímulo constante de filmes estrangeiros de orçamento estratosférico (Disney, Pixar, Dreamworks), o 2D tradicional de As Aventuras do Avião Vermelho pode parecer um tanto quanto rudimentar – e vai ter que gastar muito combustível para prender a atenção das crianças.

Apesar dos ótimos diálogos, os episódios de aventura são um tanto quanto repetitivos, talvez para atrair os menores, o que resulta em um arco do personagem central forçosamente estendido para caber no formato de longa-metragem. Porém, além de propagandear o prazer da leitura, o filme tem como mérito discutir a relação pai e filho, por meio de um enredo lúdico e educativo. E sem legendas.

Um filme de Frederico Pinto, José Maia com Pedro Yan, Milton Gonçalves, Lázaro Ramos, Fernando Alves Pinto.

O MENINO NO ESPELHO (2013) / MINHATECA / DEPOSITFILES

Belo Horizonte, anos 1930. Fernando (Lino Facioli) é um garoto de 10 anos que está cansado de fazer as coisas chatas da vida. Seu sonho era criar um sósia, que ficasse com estas tarefas enquanto ele poderia se divertir à vontade. Até que, um dia, é exatamente isto que acontece, quando o reflexo de Fernando deixa o espelho e ganha vida.

Elenco
Lino Facioli
Giovanna Rispoli
Gisele Fróes
Laura Neiva
Mateus Solano
Murilo Grossi
Regiane Alves
Ricardo Blat

Direção: Guilherme Fiuza Zenha 

 

VOCÊ JÁ FOI À BAHIA? (1944, Dublado) / Minhateca

O Pato Donald recebe uma grande caixa no dia de seu aniversário, trazendo três presentes. O primeiro traz um projetor de cinema, contendo um filme sobre aves da América do Sul. O segundo contém um livro sobre o Brasil, que o leva à Bahia ao lado de Zé Carioca. O terceiro tem uma piñata, acompanhada de Panchito. Com os amigos, Donald vive aventuras no Brasil e no México.

 

ALÔ AMIGOS (1942) Dublado / Minhateca

Vamos fazer uma viagem pela América Latina com Pato Donald, o aviãozinho Pedro, e muitos outros personagens da família Disney. Que tal dançarmos uma rumba, um samba ou um mambo com esta turminha animada? Alô Amigos é um desenho especial. Walt Disney queria com ele fazer uma grande homenagem aos povos sulamericanos e, em particular, ao Brasil. É em Alô Amigos que nasce Joe Carioca, que aqui conhecemos como Zé Carioca, o papagaio com espírito bem brasileiro. Alô Amigos fala do folclore, da música, das lendas e dos temas de vários países. Os personagens viajam pela Colombia, venezuela, Argentina e Brasil, dando, em cada lugar, uma paradinha para fazer amigos. Nos pampas, o desengonçado Pateta coloca roupa de gaúcho e parte numa engraçada aventura. No Brail, o carnaval será o ponto alto da festa. Ao om de Aquarela do Brasil, a música brasileira mais famosa em todo mundo, Zé Carioca comanda a festa. Alô Amigo é tudo isso e muito mais… humor, alegria, empolgação.

Menino-Maluquinho2-poster.jpg

Menino Maluquinho 2: A Aventura (1999) / Minhateca

Nesta nova aventura Maluquinho está passando as férias na casa de seu avô Tônico (Stênio Garcia) um inventor que mora numa pequena comunidade no interior de Minas Gerais.Seus amigos Junin (Samuel Brandão) Lúcio (Cauã Bernard Souza) Bocão (João Romeu Filho) e Nina(Fernanda Guimarães) estão chegando a cidade para ajudar Maluquinho a arrumar o circo para o centenário da cidade.Nessa viagem Eles conhecem Tatá-Mirim,uma pequena chama que acaba por fazer a cidade acreditar que estão sendo invadidos pelo Capeta.Assim Eles acabam vivendo muitas aventuras.

Elenco:

Samuel Costa — Menino Maluquinho

Fernanda Guimarães — Nina

João Romeu Filho — Bocão

Cauã Bernard Souza — Lúcio

Samuel Brandão — Junin

Antônio Pedro — Tatá-mirim

Betina Viany — D. Margarida

Cláudia Shapiro — Beata

Cláudio Cavalcanti — Pedro Fogueteiro

Lú Grimaldi — Beata

Martha Overbeck — Vovó Iaiá

Nelson Dantas — Prefeito Costa

Pedro Bismarck — Monsenhor

Ruy Rezende — Seu Zé

Stênio Garcia — Vovô Tonico

Ziraldo — Delegado

Flávio Migliaccio

Dirigido por Fernando Meirelles

 

COCORICÓ - ESPECIAL DE NATAL / Minhateca

Júlio e João resolvem ajudar a Avó com os preparativos de Natal e ficam responsáveis por montar a árvore. Contém 3 histórias de Natal. 

Cocoricó - o Pacote Surpresa - DVD

Cocoricó: O Pacote Surpresa / Minhateca

O que será que a Turma do Júlio vai encontrar no pacote surpresa deixado no paiol? Uma missão nada fácil que requer muita imaginação, chacoalhas para um lado e outro e cheira aqui e ali. Esta turminha é mesmo muito curiosa. 

 

 

O Meu Pé de Laranja Lima (1970) / Minhateca

Zezé é um menino de seis anos inteligente e peralta, que é cuidado pelas irmãs mais velhas enquanto a mãe trabalha numa fábrica e o pai está desempregado. Mudando para uma nova casa em Bangu, Zezé adota um pé de laranja lima que acredita que fala com ele. É matriculado na escola e se torna o melhor aluno da professora Cecília, fica amigo de um músico vendedor ambulante de panfletos com letras de tangos e valsas populares, e de "Portuga", um homem bom que possui um belo carro. Zezé vive sofrendo com abusos da família que não tem paciência com suas peraltices mas seus amigos sabem que ele é uma criança muito sensível e de bom coração.

Dirigido por Aurélio Teixeira

Elenco:

Júlio César Cruz .... José Mauro Vasconcelos "Zezé"
Aurélio Teixeira .... Manuel Valadares "Portuga" (participação especial)
Leilany Chediak.... Jandira
Henrique José Leal .... Serginho
Elisa Fernandes .... Lili
Julio Hofacker...Tio Edmundo
Janet Chermont...Glória
Catulo de Paiva...Ariovaldo
Rubens Abreu...Paulo
Maria Gladys .... professora Cecília
Vitório Veríssimo...Luís
Jorge Luiz Trannin...Totoca
Maria Helena Lott...Estefânia
Iva West...Dindinha