Sites Grátis no Comunidades.net
ARTES MARCIAIS
ARTES MARCIAIS

 Resultado de imagem para o amuleto do dragão filme

O Amuleto do Dragão (2013)

Diretor: João Paulo Andrade

A busca por um amuleto roubado leva três descendentes de chineses a academia de Kung Fu de um brasileiro. Neste confronto envolvendo honra, orgulho e amor, um segredo guardado por século será revelado.

 

 Resultado de imagem para a rinha filme

Rinha: O Filme - 2008

MEGA Partes 01 / 02 / 03 / 04 / 05

Quais são os cartões postais do Brasil no exterior? O Rio de Janeiro. As belas - e fogosas - mulheres. O futebol. O samba. E, mais recentemente, o vale-tudo. Depois que os Gracie levaram o jiu-jitsu para os Estados Unidos, não demorou para que essa arte marcial começasse a ser usada em competições movidas a dinheiro, o que é justamente o contrário do que prega qualquer arte marcial.

Rinha (2008), filme do ex-publicitário Marcelo Galvão, mostra um nível abaixo desses campeonatos. São as batalhas clandestinas patrocinadas pela aristocracia local. No caso, a "nata" paulistana, com presença de ex-alunos de um colégio americano, empresários cheios de dinheiro, diplomatas, drogas e as melhores companhias que o dinheiro pode pagar. Como prato principal, lutas em piscinas vazias que só acabam quando um lutador cansar de bater no outro.

Há o que se elogiar no projeto. A parte técnica toda é bem cuidada, com luz, som e câmeras bem posicionadas. O elenco tem figurinhas conhecidas do teatro e da TV. O figurino, o casarão e os carrões de luxo, todos impecáveis. Enfim, uma bela produção e, o que é mais interessante (pela sua inovação), feita com pouco dinheiro e muitos voluntários. Para fazer esse filme, Marcelo e seus sócios na produtora GataCine criaram um curso que ensinou pessoas que não sabiam coisa alguma sobre os bastidores do cinema e os colocou para trabalhar. Mão de obra barata para a produtora e uma experiência única para os novos cineastas.

Porém, há também muita coisa a ser criticada. Devido ao excesso de personagens que entram e saem de cena, não há espaço para que eles se desenvolvam e, por isso, sobram cenas desnecessárias - como a briga entre os dois amigos que estão indo pegar o lutador que pode lhes salvar a noite. Até mesmo o narrador é um personagem secundário. Seria melhor - e até mais barato - diminuir tudo isso.

Mas isso não foi feito porque o roteiro só existe mesmo é para chocar. O próprio diretor não tem pudores de dizer por aí que fez este longa-metragem pensando na polêmica, na mídia espontânea que o sangue geraria e que isso traria o sucesso de público que ele precisa para montar seu projeto dos sonhos, Colegas, um road-movie estrelado por portadores de Síndrome de Down. Os fins justificam os meios?

Diz o letreiro do início que é um filme baseado em casos reais. A mim, me parece uma desculpa para rodar o filme todo em inglês e assim facilitar uma possível venda do projeto para fora do país. E assim ajuda a estampar lá fora um cartão postal que não precisávamos ter.

 

Imagem

A Gaiola da Morte (1992) / Minhateca

Em O Rei dos Kickboxers (The King of the Kickboxers), de 1990, um cineasta sem escrúpulos obrigava lutadores do mundo inteiro a se enfrentarem até a morte em uma arena cercada de bambus. Um policial, vivido por Loren Avendon, consegue se infiltrar para tentar derrubar o negócio e vingar a morte do seu irmão. Eis aí um clássico do chamado kickboxer movie, subgênero que infestava as locadoras no início da década de 1990 com centenas de fitas que traziam o termo kickboxer no título. 

Se transportarmos a história de O Rei dos Kickboxers para o Brasil, aproveitando várias ideias, como a arena de bambu e o diretor sedento por sangue, alterando apenas alguns detalhes, acrescentando elementos à brasileira, teríamos então um legítimo representante nacional dos kickboxer movies. E é exatamente isso que o produtor Fauzi Mansur e o diretor Waldir Kopezky fizeram para aproveitar o êxito comercial deste filão das locadoras. O resultado desta empreitada é o excêntrico A Gaiola da Morte, o único kickboxer movie nacional! 

E se não havia por aqui um ator do calibre de um Van Damme, ao menos Paulo Zorello estava disponível. Tricampeão mundial de kickboxer pela WAKO (World Association of Kickboxer Organization), o lutador brasileiro tirou vantagem do sucesso que a luta lhe proporcionava na época para fazer de A Gaiola da Morte, seu único trabalho como ator, um veículo de auto promoção. Inclusive, Zorello, com seu bigodinho e mullet oitentista, interpreta a si mesmo no filme. 

A trama é simples, o roteiro é desengonçado e os diálogos são pérolas cheias de momentos constrangedores e de humor involuntário, mas como o foco de seus realizadores é ser somente um sangrento filme de pancadaria, daremos um desconto. Lutadores de todo o Brasil são sequestrados e forçados a lutarem até à morte dentro da tal gaiola feita de bambus escondida em uma fazenda. O cenário é risível, mas com um pouco de criatividade, a coisa funciona. Os prisioneiros ficam detidos com correntes eletrificadas, o local é cheio de armadilhas e na arena várias pontas de bambus são apontados na direção dos lutadores. E parecem bem afiadas, já que o sujeito mal encosta nos bambus e já tem o corpo completamente perfurado!  

A irmã de um desses infelizes sequestrados, interpretada por Cláudia Abujamra, vai até a academia de Paulo Zorello pedir-lhe ajuda e este decide se infiltrar na organização para desmascará-la depois de descobrir que um amigo desaparecido também foi morto no local, travando uma luta mortal na gaiola. 

E o destaque de A Gaiola da Morte é justamente o trabalho nas cenas de combate corpo a corpo. É óbvio que não chega ao nível de um Irmãos Kickboxer, ou Retroceder Nunca, Render-se Jamais 2, exemplos do que há de melhor neste subgênero em termos de luta, até porque a pobreza dos cenários e da produção não permitiria tal coisa, porém, as sequências de porrada por aqui são curiosas, engraçadas e até funcionam, apesar da coreografia amadora, mas toda bem pensada. A direção segura de Kopezky e a seriedade com a qual os atores se dedicam para aplicar e receber pontapés e murros durante os confrontos também contribuem para o resultado.  

O que realmente mata nestas sequências são os efeitos sonoros exagerados, fazendo com que um soco ecoe como um tiro de escopeta. Relevando estes detalhes, o filme cumpre o que promete, por mais bizarro que seja. Os últimos 30 minutos, por exemplo, são compostos por um inacreditável festival de pancadaria sem fim, com lutas acontecendo em vários locais diferentes, dublês pulando de certa altura em cima de um monte de caixa de papelão, um sujeito que desvia de tiros com saltos de capoeira, enfim, é ver para crer.   

No elenco, além de Zorello, Abujamra e vários lutadores de artes marciais da época, temos algumas figuras da Boca do Lixo em fim de carreira, como Alan Fontaine e Custódio Gomes. Ênio Gonçalves também dá as caras por aqui, na pele de um policial que passa informações para o casal de heróis, mas sua participação não dura cinco minutos. 

A Gaiola da Morte foi lançado em VHS no Brasil, mas é triste constatar que hoje já virou peça de museu. Independente de ser uma tranqueira muito divertida, o filme merecia algum reconhecimento a mais por ser o primeiro e único exemplar do subgênero Kickboxer Movie no Brasil.

Diretor: Waldir Kopesky

ELENCO
Paulo Zorello
Cláudia Abujamra
Daliléia Ayala
Mestre Maurício
Laerte Ferrir
Nicanor Majado Filho  

 

TAPPED OUT - A REVANCHE (2014) Dublado  / MINHATECA / MEGA Senha: lendiniz-therebels

A trama acompanha um jovem problemático, Michael Shaw (o pentacampeão de caratê Cody Hackman), que é forçado a prestar serviços comunitários em uma escola de luta. Ele decide se inscrever em um torneio de MMA para enfrentar o homem que matou seus pais. O elenco ainda conta as participações especiais dos atletas de artes marciais mistas Anderson Silva, Lyoto Machida e Krzysztof Soszyznski.

 

KICKBOXER 3 – A ARTE DA GUERRA (Dublado) – 1992 / 4Shared

ELENCO:

Alethea Miranda Isabella

Bernardo Jablonsky Padre Bozano

Dennis Chan Xian Chow

Fábio Junqueira Brumado

Gracindo Júnior Pete

Ian Jacklin Martine

Kate Lyra Mulher de Branco

Leonor Gottlieb Margarida

Miguel Oniga Marcelo

Milton Gonçalves Sargento

Monique Lafond Flávia

Nildo Parente Vargas

Noah Verduzco Marcos

Renato Coutinho Branco

Ricardo Petráglia Alberto

Richard Comar Lane

Sasha Mitchell David Sloan

DIREÇÃO: Rick King

Na terceira seqüência da série “Kickboxer”, o lutador David Sloan e seu treinador Xian Chow viajam ao Brasil para participar de uma luta no Rio de Janeiro. Quando a irmã do herói é seqüestrada por uma gangue local, ele precisará de todas as suas habilidades de luta para salvá-la.

ESPORTE SANGRENTO (1993) Dublado  / MEGA / MINHATECA

Dirigido por Sheldon Lettich

ELENCO:

Mark Dacascos – Louis Stevens

Stacey Travis – Dianna

Geoffrey Lewis – Kerrigan

Paco Christian Prieto – Silverio

Todd Susman – Cochran

Richard Coca – Orlando

Roman Cardwell – Shay

Ryan Bollman – Donovan

Christian Klemash – Eddie

O ex-militar e habilidoso capoeirista, Beret Louis (Mark Dacascos) recentemente retorna do Brasil a sua terra natal. Em Miami, nas redondezas do bairro onde cresceu, Beret é confrontado com um panorama bem diferente do que imaginava do lugar onde cresceu, onde no decorrer dos anos em que esteve afastado a criminalidade e o tráfico de drogas tomaram o controle do futuro do bairro e consequentemente dos jovens que ali habitam. Buscando fazer a diferença, Beret reúne através da escola um pequeno grupo de jovens delinquentes e rebeldes sem causa num rigoroso treinamento de capoeira que pode conferir a eles além de curiosas habilidades marciais, também lhes proporcionar um senso de respeito mútuo e esperança que jamais imaginavam ter. Mas uma tarefa que naturalmente já seria difícil de ser executada por Beret, ainda tem num perigoso chefe de gangue outro obstáculo, pois o criminoso fará de tudo para manter o panorama inóspito do bairro que lhe oferece lucratividade. “Esporte Sangrento” (Only The Strong, 1993) é uma produção de ação estadunidense que tem contornos de pioneirismo ao abordar a Capoeira (arte marcial típica da cultura brasileira) de forma expressiva, não somente nas sequências de ação marcial, mas no próprio enredo. Dirigida por Sheldon Lettich e protagonizada por Mark Dacascos, um dos grandes astros de filmes B de ação dos anos 90 (e que até chegou a virar membro de elenco de apoio de luxo em produções hollywoodianas na década seguinte), o resultado dessa produção se nivela positivamente na memória de muitos espectadores, embora esteja repleto de clichês e nenhuma originalidade válida além de sua iniciativa pioneira.

Numa mistura de “Mentes Perigosas” com cenas de luta que usam a arte da capoeira para denotar a ação essencial do filme, o longa-metragem “Esporte Sangrento” não chega a ser tão sangrento quanto o título nacional sugere, embora o perigo da eficiência dos golpes seja explícito aos espectadores. Mas o filme em si não é apenas um desfile de vislumbrastes acrobacias, sendo que há uma necessária busca de redenção em seu enredo que o difere de um simples filme de artes marciais atochados de pancadaria. A antiga filosofia da capoeira é mais aplicada pelo protagonista nos jovens como forma de ressurreição de caráter e autoestima (algo quase clichê em filmes esportivos norte-americanos), que segue as exigências do enredo em uma dura realidade. A capoeira é uma forma de recuperar jovens sem perspectivas que se encontram abandonados à própria sorte pelo Estado, ainda que ela também seja usada como recurso de ação. Com atuações niveladas com a produção de baixo orçamento, trilha sonora coerente com a capoeira, um argumento preso às burocracias do objetivo de inspirar atitudes benevolentes e um desenvolvimento que atende aos ávidos fãs de filmes de artes marciais numa boa medida, “Esporte Sangrento” é uma antiguidade comercial bem charmosa do gênero. Longe de ser magistral como vários outros filmes onde o Kung-fu é supremo, mas divertido como deve ser, o filme atende bem as suas necessidades. Os movimentos da capoeira, dos básicos aos mais complexos são bem retratados em boas sequências de luta, onde Dacascos se sai bem e não deixa naturalmente a desejar.  

 

Resultado de imagem

Besouro - 2009 / MINHATECA

Um filme de João Daniel Tikhomiroff com Miguel Lunardi, Chris Vianna, Adriana Alves, Irandhir Santos

Bahia, década de 20. No interior os negros continuavam sendo tratados como escravos, apesar da abolição da escravatura ter ocorrido décadas antes. Entre eles está Manoel (Aílton Carmo), que quando criança foi apresentado à capoeira pelo Mestre Alípio (Macalé). O tutor tentou ensiná-lo não apenas os golpes da capoeira, mas também as virtudes da concentração e da justiça. A escolha pelo nome Besouro foi devido à identificação que Manuel teve com o inseto, que segundo suas características não deveria voar. Ao crescer Besouro recebe a função de defender seu povo, combatendo a opressão e o preconceito existentes.

Resultado de imagem para favela filme

Favela (Falcon Rising, 2013) /  MINHATECA  Legenda

Direção: Ernie Barbarash

Elenco:

Hazuki Kato Tomoe

Laila Ali Cindy Chapman

Lateef Crowder Carlo Bororo

Michael Jai White John Chapman

Neal McDonough Manny Ridley

Arzoris Perez Maria

Chi Wai So Bartender

Clifford Myatt Lionel

Eddie Valdes Businessman

Jazmín Caratini Enfermeira

Johnny Yang Guarda da Yakuza

Michael J. Morris Businessman

FAVELA, apresenta o ex-fuzileiro naval John "Falcon" Chapman, um obscuro anti-herói impulsionado pela culpa e sofrimento pós-traumático, que irá destruir a si mesmo a não ser que lhe seja dado algo mais para destruir - uma arma útil e último recurso do Departamento de Estado dos EUA. Quando a irmã de Chapman é brutalmente atacada enquanto estava em missão no Brasil, Chapman voa para Rio de Janeiro para rastrear seus agressores, rapidamente entra no submundo da cidade e descobre um mundo de drogas, comércio sexual, policiais corruptos e crime organizado lutando pelo controle.